Mapfre debate a importância do seguro de vida no mundo e no Brasil

18.06.2020 - Fonte: Sonho Seguro

pexels-photo-1383782

No estudo, apresentado online de São Paulo, uma seleção dos mercados de seguros de vida é analisada em detalhes.

O comportamento do ciclo econômico é um fator-chave no desenvolvimento do seguro de vida, de modo que o crescimento do PIB favorece o crescimento dos prêmios de seguro de vida e vice-versa. É especialmente relevante em produtos de risco e também influencia a poupança e o investimento em seguros de vida. No entanto, outros fatores também influenciam essas últimas linhas de negócios, como o comportamento das taxas de juros, os spreads de risco dos títulos de renda fixa (soberano e corporativo) e, em alguns mercados, o comportamento dos títulos de capital.

“O tamanho do mercado de seguros de vida em cada país é diferente e os motivos que influenciaram seu desenvolvimento variam de acordo com fatores regulatórios, demográficos, econômicos e sociais. Nos países desenvolvidos, a cobertura desse seguro é mais difundida na sociedade do que nos países emergentes, onde apenas uma parte da população é protegida pelo seguro de vida “, afirma Manuel Aguilera Verduzco, CEO da MAPFRE Economics.

No estudo, apresentado on-line de São Paulo (Brasil), uma seleção dos mercados de seguros de vida é analisada em detalhes, considerada representativa por sua importância em nível regional, pelo grau de desenvolvimento dos produtos que comercializa. e pelo seu dinamismo. Essa seleção de 43 países tenta abranger um amplo espectro de produtos Life oferecidos por companhias de seguros em todo o mundo, bem como diferentes modelos regulatórios, a fim de identificar as práticas que podem ser consideradas como referência no desenvolvimento de apólices. público voltado para a proteção dos segurados, para estimular a economia por meio desse tipo de produtos e para a estabilidade do sistema financeiro global.

O seguro de vida, além da remuneração e proteção pessoal que eles oferecem aos segurados e segurados contra riscos de morte e aposentadoria, desempenham um papel central no processo de investimento em poupança da economia.

Conforme incluído no relatório Elementos para o desenvolvimento do seguro de vida, preparado pela MAPFRE Economics, o Serviço de Pesquisa MAPFRE e editado pela Fundación MAPFRE, os prêmios de seguro de vida em todo o mundo atingiram 2,82 trilhões dólares em 2018. E 93,5% desse volume estavam concentrados em três regiões: Ásia (37,7%), Europa Ocidental (32,8%) e América do Norte (23%). Do ponto de vista da penetração (o peso que os prêmios de seguro, neste caso do segmento Vida, têm sobre o PIB de um país) representou 3,2% do PIB mundial.

Por exemplo, no caso do mercado de seguros espanhol, os prêmios de seguro de vida totalizaram 28.995 milhões de euros, o que representa 2,4% do PIB, comparado a 4,3% em média nos mercados de seguros desenvolvidos. Conforme indicado no relatório, o mercado espanhol apresenta um grau de desenvolvimento notavelmente inferior à média dos desenvolvidos e, portanto, o tipo de produtos comercializados tem um grau menor de sofisticação. Nesse sentido, predominam os produtos de renda temporária e vitalícia, embora o peso dos produtos de capital diferido também seja significativo. Por sua vez, do ponto de vista da distribuição de produtos, deve-se notar que o mercado de seguros de vida na Espanha é claramente caracterizado pela predominância, em primeiro lugar, do canal de bancassurance, seguido pelo de agentes vinculados a entidades. Por seu lado, o canal da Internet ainda tem muito pouco peso relevante em termos de negócios intermediados.

A importância da regulamentação

As políticas públicas são um elemento essencial para promover o crescimento da poupança em uma economia e, nessa dimensão, para o uso de produtos de seguro de vida como um instrumento para isso. Nesse sentido, essas políticas públicas podem ser divididas em três grupos: aspectos regulatórios (que implicam acesso ao mercado, estabilidade regulatória de longo prazo para as seguradoras, incentivos à inovação e elementos de conduta no mercado); participação em sistemas de pensão (incluindo sistemas de aposentadoria compulsória e planos de aposentadoria voluntária); e incentivos fiscais (para produtos de poupança e investimento, o risco de seguro de vida e para evitar desincentivos relacionados à aplicação de impostos indiretos).

“O desenvolvimento do segmento de seguro de vida pode ser um elemento-chave no desenho e implementação de políticas públicas que visem aumentar a taxa de poupança e investimento em uma economia com os efeitos positivos que esses fenômenos provocam em termos de crescimento de riqueza. material e os níveis de bem-estar da sociedade ”, conclui Aguilera.

Notícias Relacionadas