Rio Grande Seguros patrocina espetáculo O Rei da Vela

11.10.2018 - Fonte: Assessoria de comunicação Icatu Seguros

O REI DA VELA 2º ATO FOTO jennifer glass (1)

Peça dirigida por Zé Celso Martinez Corrêa será apresentada no Teatro do Sesi, nos dias 20 e 21 de outubro

Começa nesta quinta-feira (11) a venda de ingressos para o espetáculo O Rei da Vela, que terá duas sessões no Teatro do Sesi nos dias 20 e 21 deste mês. A antológica montagem de Zé Celso Martinez Corrêa para o texto de Oswald de Andrade tem cerca de três horas e meia de duração, com dois intervalos de 20 minutos cada. Os ingressos custam R$ 80, com meia-entrada para categorias como estudantes e professores. O patrocínio é de Rio Grande Seguros e Previdência.


O Rei da Vela, escrita nos anos 1930, traz uma crítica impiedosa dos valores da sociedade brasileira, ironizando os costumes da elite burguesa e rural do país. A narrativa mostra as agruras de um banqueiro que subjuga clientes e negocia seu casamento com a filha de uma família arruinada pela crise do café. O texto foi levado ao palco pela primeira vez no final da década de 1960, com grande impacto artístico. Além de Abelardo I, o agiota, outros personagens destacados são seu empregado socialista, Abelardo II (Tulio Starling), a noiva Heloísa de Lesbos (Sylvia Prado), além de Poloca, uma defensora do ponto de vista da tradição, família e propriedade, interpretada por Zé Celso e Vera Barreto Leite.
A montagem atual celebra os 50 anos da encenação original, e também os 80 anos de Zé Celso Martinez Corrêa e do ator Renato Borghi, protagonista nas sessões de estreia. Outro destaque é a direção de arte de Hélio Eichbauer (falecido em julho deste ano), que inclui um palco giratório e telões pintados como cenário. A peça recebeu em dezembro passado o Grande Prêmio da Crítica da Associação Paulista de Críticos de Artes (APCA). Nas sessões de Porto Alegre, o papel principal será do ator Marcelo Drummond, integrante do Teatro Oficina desde os anos 1980.


“Zé Celso é dionisíaco e corajoso, sempre empurra as limitações estéticas do teatro brasileiro para patamares de ousadia cênica muito bem-vinda. Sua decisão de remontar, 50 anos depois, a histórica montagem de O Rei da Vela tem sido uma apoteose em todas as apresentações. A rara oportunidade de rever uma concepção teatral concebida cinco décadas antes é o acontecimento teatral de 2018 e se coloca naquele conceito de momentos imperdíveis da cultura brasileira”, ressalta o titular da Secretaria Municipal da Cultura (SMC) de Porto Alegre, Luciano Alabarse.


“É um sonho muito sonhado, batalhado e vencido poder trazer o grandioso espetáculo O Rei da Vela a Porto Alegre, justamente nesses dias tão intensos de discussões sobre o Brasil. Desde que resolvi estudar teatro ouço falar sobre a emblemática montagem de trabalho do Zé Celso que fez furor na sua estréia em 1967, anos turbulentos no país. Quando o Zé remontou o espetáculo com a mesma concepção, mesma direção de arte de Hélio Eichbauer em 2017, 50 anos depois, não acreditei que eu e toda uma nova geração poderíamos ver o espetáculo também em anos turbulentos no país”, comenta o coordenador de Artes Cênicas da SMC, Fernando Zugno, também diretor do Porto Alegre Em Cena.


O Rei da Vela, em Porto Alegre, é uma realização do Ministério da Cultura, Governo Federal e da Prefeitura de Porto Alegre. O patrocínio master é da Rio Grande Seguros e Previdência. A agente cultural é a Primeira Fila Produções e conta com o apoio do Porto Alegre em Cena.

Notícias Relacionadas