Maior sindicato da iniciativa privada do RS fecha as portas em protesto à MP 873

15.03.2019 - Fonte: SINDEC | Gabriella Oliveira

SINDSEC

O fechamento do Sindec-POA também afeta os serviços assistenciais como: creche, departamento médico e odontológico e lazer.

Devido um histórico de práticas aintissindicais que iniciaram com a aprovação da Reforma Trabalhista e agora se fortalecem com a edição da MP 873; medida provisória que impede o desconto da contribuição sindical direto em folha e obriga todos os sindicatos a emitirem boletos bancários para que as pessoas possam ajudar a sua classe e serem beneficiadas pela entidade, o Sindicato dos Empregados no Comércio de Porto Alegre vem a público informar que está fechando as suas portas por tempo indeterminado, a partir de segunda-feira (18), até que se encontre uma solução para o custeio da atividade sindical.

A decisão tem reflexo nos 100 mil comerciários representados pela entidade e impacta diretamente em torno de 45 mil trabalhadores que usufruem dos serviços do Sindec anualmente.

O setor de homologação atende, em média, 2 mil comerciários por mês, realizando a conferência das rescisões contratuais;

Juntos, os setores de Segurança e Medicina do Trabalho, Fiscalização e Departamento Jurídico, atendem uma média mensal de 1 mil comerciários na sede do sindicato. Além do Serviço de Proteção ao Comerciário (SPC) que recebe diariamente por telefone e e-mail, mais de cinquenta denúncias e dúvidas trabalhistas, indo até as empresas para solucionar as irregularidades;

O sindicato também atua nos domingos e feriados para garantir que se cumpram os acordos. No último feriado de fiscalização (02 de fevereiro), por exemplo, 245 empresas foram autuadas por não estarem em conformidade com a Convenção Coletiva, ignorando os direitos dos comerciários.

O fechamento do Sindec-POA também afeta os serviços assistenciais como: creche, departamento médico e odontológico e lazer.

"Não é mais viável manter a estrutura de antes, com os recursos de agora. Reforçamos o nosso compromisso frente a todos os comerciários e comerciárias: continuaremos o nosso trabalho de fiscalização constante em busca dos seus direitos, mas agora, de uma forma diferente”, Presidente Nilton Neco.

Notícias Relacionadas